Compreendendo a Respeito do Termo EL e, o termo elohim

 
Abordarmos a respeito do termo EL e, suas flexões, dentre eles: o termo Elohim, é fundamental para desmistificarmos "velhos conceitos", os quais ainda permeiam em nosso meio, dentre eles, o que denota o termo EL ao paganismo! E, o que muitos não se atentam é para o seguinte fato: O termo EL é mais antigo do que se imagina! E, assim sendo, sua análise deve ser ampla, profunda, numa contextualização que nos auxilie na compreensão dos seguintes fatores: 
 
1 - quem são os povos e, em que período faziam uso desse termo EL;
2 - em que região esses povos que faziam uso do termo EL, habitavam?;
3 - a compreensão linguística/religiosa referente a esses povos;
4 - a compreensão do termo EL - ELOHIM
 
Quando assim procedemos, ou seja, quando nos voltamos para uma análise pautada não apenas nas Escrituras, mas também na análise de evidências arqueológicas, que nos possibilite um melhor entendimento acerca do termo EL, conseguimos compreender que, ao contrário do que muitos imaginam, o termo EL tem muito a nos revelar acerca do povo que Yahu escolheu para se tornar uma grande nação!
 
Assim sendo, para darmos início ao nosso estudo, faz-se necessário termos em mente o seguinte: havia uma proximidade geográfica entre os povos que habitavam a região do Oriente Próximo e, essa proximidade favorecia a existência de uma linguagem comum entre eles, uma linguagem familiar, a qual facilitava não apenas suas relações comerciais e, políticas, mas também um "intercâmbio cultural e religioso! 
 
Assim sendo, vejamos a figura abaixo:
 
De acordo com a figura acima, podemos perceber a proximidade existente entre a região outrora habitada por Abraham, a saber: a região de Ur dos Caldeus, com as demais regiões, dentre elas: Pérsia, Babilônia, Fenícia, Acádia, Assíria..., região essa, conhecida por Mesopotâmia, cujo significado é: entre rios, neste caso: o Rio Eufrates e Rio Tigre! 
 
É justamente acerca dessa proximidade que precisamos estar atentos, pois a mesma, além de favorecer a conquista e/ou expansão territorial em meio as gueras, também favorecia assimilação cultural e, a submissão às leis impostas pelo vencedor, mediante a familiaridade do fator linguístico. E, a respeito dessa familiaridade, podemos constatá-la no texto abaixo:
 
1 Samuel 17:3-26 "E os filisteus estavam num monte de um lado, e os israelitas estavam num monte do outro lado; e o vale estava entre eles. Então saiu do arraial dos filisteus um homem guerreiro, cujo nome era Golias, de Gate, que tinha de altura seis côvados e um palmo... E parou, e CLAMOU às companhias de Israel, e DISSE-LHES: Para que saireis a ordenar a batalha? Não sou eu filisteu e vós servos de Saul? Escolhei dentre vós um homem que desça a mim. Se ele puder pelejar comigo, e me ferir, a vós seremos por servos; porém, se eu o vencer, e o ferir, então a nós sereis por servos, e nos servireis. DISSE mais o filisteu: Hoje desafio as companhias de Israel, DIZENDO: Dai-me um homem, para que ambos pelejemos. OUVINDO então Saul e todo o Israel ESTAS PALAVRAS do filisteu, espantaram-se, e temeram muito... Então FALOU David aos homens que estavam com ele, dizendo: Que farão àquele homem, que ferir a este filisteu, e tirar a afronta de sobre Israel? QUEM É, pois, este incircunciso filisteu, para afrontar os exércitos do Elohim vivo? "
 
Notem no texto acima que as afrontas feitas pelo filisteu foi compreendida por Israel, tanto é que, ouvindo as afrontas dele, temeram e, fugiram de sua presença! Mas como, isso é possível, uma vez que nos deparamos com povos distintos, onde de um lado estava IsraEl e, do outro, os filisteus? Como explicar o fato dos israelitas entenderem as afrontas do gigante? E, como explicar o fato do gigante, falar numa língua em que os Israelitas, entendessem? E, a resposta que temos encontrado é: a raíz linguística desses povos semitas, são semelhantes e, não podem ser descartadas numa análise em busca da compreensão acerca dos povos antigos!
 
Diante disso, o que procuraremos mostrar primeiramente ao leitor é que: ao contrário do que muitos possam imaginar e, apregoar, o hebraico NÃO foi o primeiro idioma a ser falado e/ou a existir! E, compreender isso é importante, pois há quem faça do hebraico algo a ser "venerado", um idioma santo, puro, incorruptível! Um idioma exclusivo que caiu do céu, para ser falado pelo povo escolhido do Yahu, quando na verdade NÃO é bem assim! Pois, tanto o hebraico, quanto os demais idiomas de povos semitas, tem na formação de suas muitas palavras, a MESMA RAÍZ, a saber: o Acadiano! O segundo ponto importante que fazemos questão de enfatizar é o seguinte: o abordar algo preciptadamente, sem uma análise minunciosa dos fatos, torna a pregação falha e, em alguns casos, chega a colocar em risco, a emuna de alguns que ainda não a tem edificada na verdade. Por isso, aconselhamos aos que acessam nosso site que, busquem examinar tudo o que lhes chega as mãos e, aos ouvidos! Sejam perseverantes na busca pela verdade e, pelo conhecimento! Nem tudo que reluz é ouro!
 
Daí a necessidade de uma abordagem mais ampla que nos leve a compreensão do termo EL, levando em conta o seguinte: o buscar conhecimento acerca desse assunto, DE MANEIRA NENHUMA significa que estamos desprezando o hebraico, ao CONTRÁRIO, estamos SIM, buscando conhecer melhor a respeito do que apregoamos e, analisar o que temos ouvido!
 
 
1 - COMPREENDENDO O TERMO EL, NUMA ANÁLISE LINGUÍSTICA 
 
O primeiro passo a ser dado para compreendermos esse assunto é,  termos bem conceituado em nossa mente, o que significa Semitismo! E, nisso alguém pode se perguntar: O que é Semitismo? E, a resposta é: Semistismo é um conjunto de características dos semitas. E, nisso pode surgir uma nova pergunta: Quem são os Semitas? E, a resposta que encontramos, baseia-se na seguinte afirmação do autor, Jose Maria Blazquez, em seu livro: Dioses, Mitos y Rituales de los Semitas Occidentales em La antiguedad:
 
" Os Semitas formaram dois grandes grupos: o do Leste e, do Oeste, subdividindo-se este último por sua vez em dois ramos: O Setentrional e, o Meridional. Estes Semitas Ociedentais falavam diferentes línguas, entre elas as que se podem mencionar: ugaríticas( falada na Síria do Norte), a amorrita; a Cananéia( que conmpreende tanto a língua fenínia, quanto a língua Púnica); a hebreia ( que possuia alguns dialitos, entre eles, o MOabita); o Amonita; e finalmente, a Araméia, com suas variantes, o Nabateu e, o de Palmira. Os Semitas Ocidentais formavam vários povos, os quais aparecem citados nas fontes do Segundo Milenio AEC. Já no início do Segundo MIlenio, os amonitas desempenharam um papel importante em Mari e na Mesopotâmia Meridional, tanto que os arameus, na segunda metade do II Milenio AEC, fundaram numerosos estados na Síria. Desde o primeiro milenio da Era comum se conhece povos árabes e, no final do mesmo milenio se tem noticias acerca dos Nabateus e palmirenses. Os principais estados Semitas Ociedentais se assentaram nas regiões que hoje conhecemos por Síria; Líbano; Israel e; Jordânia. Os cananeus, chamados fenínicios no primeiro milenio da EC, estabeleceram-se na Costa Sírio-Palestina, os hebreus se situaram na região que hoje conhecemos por Israel, enquanto que os arameus, ocuparam terras do interior. Todos esses territórios tinham estavam povoados de cidades, sempre enfretnaod entre si e, que frequentemente era arrasdas por incursões de Assírios, Babilônicos; Hititas e, Egípcios. Essas cidades nunca se agruparam em grandes Estados."
 
 
Há também, estudiosos que afirmam que o termo semita, origina-se do nome próprio de Sem, pautando-se no texto que se encontra em Gn 10, confome podemos observar abaixo: 
 
Gn 10:1-31 " Estas, pois, são as gerações dos filhos de Noé: Sem, Cão e Jafé; e nasceram-lhes filhos depois do dilúvio... Os filhos de Sem são: Elão, Assur, Arfaxade, Lude e Arã. E os filhos de Arã são: Uz, Hul, Geter e Más. E Arfaxade gerou a Selá; e Selá gerou a Éber. E a Éber nasceram dois filhos: o nome de um foi Pelegue, porquanto em seus dias se repartiu a terra, e o nome do seu irmão foi Joctã. E Joctã gerou a Almodá, a Selefe, a Hazarmavé, a Jerá, A Hadorão, a Usal, a Dicla, A Obal, a Abimael, a Sebá, A Ofir, a Havilá e a Jobabe; todos estes foram filhos de Joctã. E foi a sua habitação desde Messa, indo para Sefar, montanha do oriente. Estes são os filhos de Sem segundo as suas famílias, segundo as suas línguas, nas suas terras, segundo as suas nações."

 

De acordo com o Gn 10, Sem, foi um dos filhos de Noah e, ancestral dos assírios, arameus; hebreus; e, de outros povos que falavam idiomas parecidos. Dessa forma, o termo semita passou a designar de modo operacional, todos esses idiomas correlatos, mas ATENÇÃO: o fato desse termo ter se tornado abrangente entre os povos do Oriente, NÃO significa que todos seus falantes eram descendentes de Sem.

 

Vejamos também o texto abaixo:

Gn 11:1-2 "E era toda a terra de uma MESMA LÍNGUA e de uma MESMA FALAE aconteceu que, partindo eles do oriente, acharam um vale na terra de Sinar; e habitaram ali."

 
Ao lermos o texto acima, podemos perceber o seguinte:
 
1º) que em toda a terra, havia uma MESMA LÍNGUA e, uma MESMA FALA, MAS, em NENHUM momento é dito que esse idioma é o hebraico, ou outro idioma qualquer! Quem assim afirma, está inventando! E, porque assim falamos? Pelo fato de haver quem acredite que o primeiro idioma a existir foi o hebraico, o que não é verdade! O que a arqueologia e, a história nos revela é, que antes do hebraico existir, havia outras línguas semíticas e, dentre estas, encontramos o Acadiano.
 
De acordo com Kate Clair, em seu livro: Manual da Tipografia: A história, a Técnica e, a Arte, diz o seguinte: "à medida que a comunicação verbal se desenvolveu, tornou-se mais fácil para os humanos interagirem e, ajudarem uns aos outros em atividades organizadas, como também se estruturarem de forma comunal para alcançarem vidas mais confortáveis, mais previsíveis e, mais seguras." pgª10
 
Provavelmente, o fato de haver entre os povos que se instalaram em Babel, uma língua e/ou idioma comum entre eles, no seu respectivo tempo, contribuiu para a organização dos mesmos, em prol de um objetivo específico, a saber, a edificação de uma cidade e, de uma Torre, cujo cume, tocasse nos céus. Mas, como podemos perceber, é notório que eles se faziam entender em sua linguagem, mas as Escrituras não nos revelam que língua era essa!
 
2º) o povo que SAIU DO ORIENTE, PASSOU A HABITAR a Planície de Sinar, localizada na Mesopotâmia, entre os Rios Eufrates e, Tigre. E, acerca disso, vale ressaltarmos o seguinte: de acordo com as Escrituras, mais precisamente em Gn 10, foi justamente nessa região em Sinar, que Ninrode, filho de Cuxe, iniciou o seu reinado, conforme podemos observar no texto abaixo:
 
Gn 10:6-10 "E os filhos de Cão são: Cuxe, Mizraim, Pute e Canaã. E os filhos de Cuxe são: Sebá, Havilá, Sabtá, Raamá e Sabtecá; e os filhos de Raamá: Sebá e Dedã. E Cuxe gerou a Ninrode; este começou a ser poderoso na terra. E este foi poderoso caçador diante da face de YHWH; por isso se diz: Como Ninrode, poderoso caçador diante de YHWH. E o princípio do seu reino foi Babel, Ereque, Acade e Calné, na terra de Sinar."
 

Os apontamentos feitos acima, pautados nas Escrituras, dá-nos a entender que, o povo semita vem de uma raíz familiar, a saber: a de Sem, filho de Noah e, de um mesmo tronco linguístico, o qual tomava novas proporções, à medida que novas famílias se formavam e, ocupavam novas terras, formando consequentemente, novas nações! 

Atentem-se para o texto abaixo:

 
Sofonias 3:9 "Porque então darei uma linguagem pura aos povos, para que todos invoquem o nome YHWH, para que o sirvam com um mesmo consenso."
 
Separamos esse texto em Sofonias, pela seguinte razão: há quem faça uso dele para afirmar que essa linguagem pura, diz respeito ao hebraico! Percebam atentamente no texto que, EM NENHUM MOMENTO é revelado que linguagem pura é essa, a ser concedida por YHWH ! A única revelação contida no texto é que, YAHU dará a todos os que O invocam, uma língua pura, de modo que todos, O sirvam no mesmo consenso, num só pensamento, numa só unidade, afim de que em seus intentos, haja perfeição, louvor e honra ao Nome Yahu(YHW).
 
Assim sendo, atentar-se para esse fato, ajuda-nos a compreendermos o seguinte: somente YAHU é capaz de conceder ao homem, o linguajar puro! Não adianta o homem querer tomar a frente do YAHU, naquilo que é de competência exclusiva dELE! Daí, depararmo-nos com pessoas retirando palavras e, as substituindo por outras, achando que assim fazendo, estarão purificando seus lábios de palavras, por eles consideradas "impuras" e, consequentemente, estarão agradando a YAHU! Mas na verdade, o que eles estão fazendo é, exatamente ao contrário, quando se colocam a fazer, o que é comeptência exclusiva do YAHU.
 
Portanto, precisamos sim, purificar-nos dos maus pensamentos! Precisamos sim, purificar-nos da soberba! Precisamos sim, purificar-nos de nossas transgressões, de modo que assim fazendo, cumpra-se em nossa vida, o que é promessa do YAHU.
 
 
2 -  COMPREENDENDO O TERMO EL, NUMA ANÁLISE GEOGRÁFICA/RELIGIOSA
 
Para começarmos a falar a respeito do termo EL, faz-se necessário conhecermos as civilizações que habitavam a região da Mesopotâmia, são elas: os Sumérios, Assírios, Caldeus, Babilônicos e; também conhecermos a respeito dos povos Semitas, são eles: os Filisteus, Arameus e, Cananeus.
 
Abordar o fator geográfico, ajuda-nos no seguinte entendimento: a proximidade existente entre essas civilizações, mostrou-nos que o termo EL, era muito comum entre eles para designar um Ser espiritual forte e, poderoso, o qual acreditavam, que habitava em montes e/ou montanhas e, desse local, esse ser os observava, os protegia e, os abençoava, de modo que a este, prestavam-lhe culto e, adoração! Daí, compreendermos que EL, não era usado apenas como nome próprio, para identificar uma "divindade", mas também, para qualificar aquele Ser cujo poder e força, estava acima da força humana!
 
Diante disso, não é de nos causar espanto, o fato de encontrarmos nas Escrituras, Abraão indo sacrificar seu filho Isaque no Monte. Do mesmo modo, não é de nos causar espanto, depararmo-nos com Moshe sendo atraído até ao Monte, para verificar com os próprios olhos, a sarça que ardia em fogo e, do mesmo modo, receber no Monte, as tábuas da Lei! 
 
Também é comum, depararmo-nos com expressões, tais como: Cume; um alto local e/ou, um alto retiro, para designar segurança, refúgio, proteção, conforme podemos observar no texto abaixo:
 
Exodo 19:3 "E subiu Moshe a Elohim, e YHWH o chamou do MONTE, dizendo: Assim falarás à casa de Jacó, e anunciarás aos filhos de Israel."
 
Exodo 24:17 "E o parecer da glória do YHWH era como um fogo consumidor no CUME DO MONTE, aos olhos dos filhos de Israel."
 
Números 23:9 "Porque do CUME DAS PENHAS o vejo, e dos outeiros o contemplo; eis que este povo habitará só, e entre as nações não será contado."
 
Números 23:3 "Então Balaão disse a Balaque: Fica-te junto do teu holocausto, e eu irei; porventura YHWH me sairá ao encontro, e o que me mostrar te notificarei. Então foi a um LUGAR ALTO."
 
Deuteronomio 10:1-3 "Naquele mesmo tempo me disse YHWH: Alisa duas tábuas de pedra, como as primeiras, e sobe a mim ao MONTE, e faze-te uma arca de madeira; E naquelas tábuas escreverei as palavras que estavam nas primeiras tábuas, que quebraste, e as porás na arca. Assim, fiz uma arca de madeira de acácia, e alisei duas tábuas de pedra, como as primeiras; e SUBI ao MONTE com as duas tábuas na minha mão."
 
Deuteronimio 34:11 "Então subiu Moshe das campinas de Moabe ao monte Nebo, ao CUME de Pisga, que está em frente a Jericó e, YHWH mostrou-lhe toda a terra desde Gileade até Dã."
 
2Samuel 2:17 "Desde o ALTO enviou, e me tomou; tirou-me das muitas águas."
 
Salmo 91:14 "Porquanto tão encarecidamente me amou, também eu o livrarei; pô-lo-ei em RETIRO ALTO, porque conheceu o meu nome. "
 
Salmo 107:41 "Porém livra ao necessitado da opressão, em um LUGAR ALTO, e multiplica as famílias como rebanhos." 
 
 
ANALISANDO O TERMO EL
 
 
El ( אל ) : É um dos termos, mais antigos usados pelos povos de língua semítica, os quais habitam a região do Crescente Fértil. Ao contrário do que alguns afirmam, EL, NÃO é a forma singular do termo Elohim! EL é singular da forma Elim(fortes; valentes; poderosos). Encontramos essa forma Elim nos textos de Jó; de Ezequiel e; também nos Rolos do Templo, achados em Qunram, datado do Século II AEC a I EC, conforme podemos verificar na figura abaixo:
 
 
A escrita El provém da forma curta de Ail, denotando os seguintes significados: forte; força; Todo Poderoso(El Elion), termos esses, encontrados nas Escrituras para se referirem ao Criador dos céus e da terra, conforme podemos observar nos seguintes textos: Gn 14:18; Jr 32:18; Sl 77:14; Sl 95:3; Isaias 45:20; Is 40:18; Is 43:12. Também encontramos esse termo, sendo usado para se referir a outros seres espirituais "divindades"; a homens/príncipes/governantes; forças da natureza...
 
Diante disso, o que é possível percebermos nas Escrituras é o seguinte: o termo EL, nas Escrituras, apresenta-se como um termo "genérico", conforme pontuamos abaixo:
 
a) ao Altíssimo, criador dos céus e da terra
 
YeshaYahu(Is) 43:12 "Eu anunciei, e Eu salvei, e Eu o fiz ouvir, e deus estranho não houve entre vós, pois vós sois as minhas testemunhas, diz YHWH; Eu sou EL."
 
Observem atentamente a foto abaixo extraída do texto do profeta YeshaYahu 43:12, um dos achados de Qunram, datado do Século II (AEC) a I (EC):
 
Agora, observem o mesmo texto nos escritos hebraicos dos dias atuais, baseado no Codex de Leningrado, datado do Século XI:
 
 
Perceberam que NÃO HÁ diferenças na escrita dos textos? O texto que temos disponível no dias de hoje, NÃO é diferente do texto escrito há mais de 2000 mil anos atrás!
 
 
b) a outros seres espirituais, "divindades";
 
YeshaYahu(Is) 45:20 " Congregai-vos e, vinde; chegai-vos juntos, os que escapastes das nações; nada sabem os que conduzem em procissão as suas imagens de escultura, feitas de madeira e, rogam a um EL que não pode salvar."
 
Observem atentamente a foto abaixo extraída do texto do profeta YeshaYahu 45:20, um dos achados de Qunram, datado do Século II (AEC) a I (EC):
 
 
Agora, observem o mesmo texto nos escritos hebraicos dos dias atuais, baseado no Codex de Leningrado, datado do Século XI:
 
 
Perceberam que, no que diz respeito a grafia do termo EL, NÃO HÁ diferença nos respectivos textos? Portanto, o que temos disponível no dias de hoje, NÃO é diferente do texto escrito há mais de 2000 mil anos atrás!
 
c) a homens/príncipes/governantes (Ez 28:2; Ez 32:21; Jó 41:25);
 
Ez 28:2 " Filho do homem, dize ao príncipe de Tiro: Assim diz o Adonay YHWH: Porquanto o teu coração se elevou e disseste: Eu sou El ( אל), sobre a cadeira de Elohim( אלוהים) me assento no meio dos mares; e não passas de homem, e não és El ( אל ), ainda que estimas o teu coração como se fora o coração de Elohim( אלוהים)."
 

Ez 32:21 "  Os mais poderosos dos fortes( אֵלֵ֧י - pronunciamos: Êlê)  lhe falarão desde o meio do inferno, com os que a socorrem; desceram, jazeram com os incircuncisos mortos à espada."

 
Jó 41:25 " Levantando-se ele, tremem os valentes(Elim); em razão dos seus abalos se purificam."
 
Vejamos o texto de Jó 41:25 nas figuras abaixo:
 
No Codex de Aleppo - Datado do Século X EC(Era Comum)
 
 
 
Na Bíblia Stutgartensia - pautada no Codex de Leningrado - Codex este, datado do Século XI EC(Era Comum)
 
 
 
d) a forças da natureza, tais como: árvores e, montanhas imensas/elevadas; cedros altos; estrelas (Sl 80:10-11; Is 14:13)
 
Salmos 80:10 " Os montes cobriam-se com  sua sombra, e como os cedros de El se tornaram os seus ramos."

 

YeshaYahu(Is) 14:13 " E tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céis, acima das estrelas de El exaltarei o meu trono e, no monte da Congregação me assentarei, ao lados do norte."

 

Conforme é possível percebermos, o termo El, faz-se presente nas Escrituras, quer seja nos textos antigos, quer seja em textos datados do período da Idade Média.  E, o que nos chama a atenção, é o fato de alguns rejeitarem as evidências textuais, da presença do termo EL , referindo-se ao Criador dos céus e da terra! Embora o termo Ul tenha por significado: força; poder; vigor, este NÃO é encontrado nas Escrituras para se referir a seres espirituais, muito menos, como título usado para se referir ao Altíssimo, mas sim, a força humana. 

E, a respeito do significado do termo Ul, relacionado a força, poderoso, este é encontrado apenas 2(duas) vezes nas Escrituras, a saber: nos textos Salmos 73:4; 2Reis 24:15.

 
Vejamos o termo Ul flexionado no texto abaixo:
 
Salmos 73:4 " Porque não há apertos na sua morte, mas firme está a sua FORÇA ( אולם -  Ulam)."

 

Vejamos, abaixo, esse texto de Salmos, no Codex de Apeppo, datado do Século X, da Era Comum( ano de 930 ), ou seja, um Códex escrito há mais de 1000 anos! Observem que o termo Ul aparece no texto flexionado da seguinte forma: Ulam. 
 
 
 
Agora, vejamos abaixo o mesmo texto, Salmos 73:4, escrito na versão da Stutgartensia, a qual é pautada no Códex de Leningrado:
 
 
Deu pra perceber que NÃO há mudanças entre o que foi escrito há mais de 1000 anos atrás e, o que é escrito nos dias de hoje? Como chamar de moderno, se o que hoje temos, é baseado no que foi escrito na antiguidade?
 
Embora haja quem diante do termo אל, contido nos textos antigos, ao invés de pronunciar El,  insistem em pronunciar Ul, o que precisa ficar esclarecido para estes é o seguinte: como já estudamos, no hebraico antigo NÃO há sinais vocálicos, para sinalizar ao leitor que não conhece o hebraico, a respectiva vocalização existente nas palavras contidas em textos hebraicos! O que há no hebraico antigo, é o uso de consoantes que exerciam/exercem a função de vogal, são elas: iod; hê; vav. 
 
Assim sendo, para termos a pronúncia Ul , faz-se necessário o VAV vir após o alef, ou seja: אול (da esquerda para a direita: alef; vav; lâmed), de modo que se obtenha o som vocálico U, mas não é essa escrita que encontramos nos textos antigos para se referir a força e, ao poder do Altíssimo! O que encontramos nas escrituras é o termo EL - אל
 
 
ANALISANDO O TERMO ELOHIM
 
Elohim ( אלוהים ) : Ao contrário do que muitos afirmam, Elohim NÃO é plural de EL. Elohim é plural de Eloah! E, essa pluralidade, NÃO está relacionada a quantidade, mas SIM, ao que é conhecido no hebraico, por Plural majestático, plural esse, que denota a intensidade do poder, da força e, da autoridade de alguém e/ou, concedido a alguém. Assim sendo, Elohim NÃO tem por significado: Seres Eternos Criadores, como alguns afirmam, acreditam e, apregoam! E, alguém pode falar: " como assim, não tem por significado Seres Eternos Criadores"? E, a resposta é a seguinte: NÃO podemos compreender o hebraico, fazendo uso de nossa gramática portuguesa. Não é porque em nosso idioma, palavras no plural são terminadas com "S", que faremos da terminação (im) , no hebriaco uma regra para designar a pluralidade no que tange a quantidade e/ou a números!
 
Precisamos ter em mente o seguinte: no hebraico existe nem sempre a terminação (im) denota plural no sentido de quantidade!! Precisamos entender que em toda regra há uma exceção e, no caso da terminação (im), esta embora denote pluralidade, precisamos estar atentos para o seguinte fato: essa pluralidade pode estar relacionada a questão de INTENSIDADE do que se tem, quer seja força; quer seja poder; quer seja autoridade. É o que ocorre com o termo Elohim.
 
É, na busca pelo aprendizado a respeito do termo Elohim, é muito comum, depararmo-nos com pessoas afirmando que Elohim é uma palavra "pagã", usada por povos idólatras, mais precisamente, pelos cananeus, os quais tinham dentre suas "divindades", a divindade EL! Mas, como já vimos anteriormente, o termo EL, assim como Elohim, também é um termo genérico, isto é, um termo comum, usado por povos que ocupavam a região da Mesopotâmia, para designar poder; força; autoridade, quer seja de um ser espiritual, quer seja de homens/governantes; mas também é usado para designar deslocamento de um lugar para outro..., enfim para falarmos de EL, precisamos saber em que contexto estamos inserindo, para não nos preciptarmos em nossos julgamentos! Pois nem sempre quando falamos EL, estamos falando de uma divindade! Assim como nem sempre quando falamos de EL, estamos nos referindo a um deslocamento de um lugar para outro! Nem tudo é, o que parece ser!
 
E, na intenção de desvincular o termo Elohim, contido nos textos hebraicos antigos para se referir ao Altíssimo, criou-se um novo termo, a saber: ULHIM, para ser usado exclusivamente para Yahu, mas... ULHIM não consta nos textos hebraicos antigos, para se referir ao Criador dos céus e da terra! O termo que encontramos nesses textos é: Elohim, termo este, GENÉRICO!
 
Outro ponto importante a mencionarmos a respeito do termo ULHIM, é: 1º) Ulhim NÃO é plural de UL. O plural de UL é Ulim; 2º) ainda que este termo fosse correto, ele também seria usado para se referir tanto a Yahu, quanto a outros seres espirituais!! O próprio texto em Exodo 20, deixa claro que o termo que denota força, poder e, autoridade, é genérico!  
 
Assim sendo, caso o termo ULHIM fosse o correto, o texto de Exodo 20:1-3 ficaria assim: " Então falou Ulhim todas estas palavras, dizendo: Eu sou YHWH teu Ulhim, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão. Não terás outros Ulhim diante de mim."
 
Mas NÃO é isso que os defensores do termo Ulhim afirmam! Para estes, o termo Ulhim é de uso exclusivo para o Eterno, enquanto que o termo Elohim, é usado para as "divindades pagãs".
 
Vejamos o texto abaixo:
 
Exodo 20:1-3 " Então falou Elohim todas estas palavras, dizendo: Eu sou YHWH Elohecha(teu Elohim), que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão. Não terás outros Elohim diante de mim."
 
 
Como podemos perceber no texto acima, Ex 20:1-3, o termo Elohim aparece no primeiro versículo, referindo-se a YHWH; no segundo versículo Elohim aparece na forma conjugada: Elohecha, denotando o seguinte: teu Elohim, ou seja, denotando posse e; no terceiro, Elohim é usado para se referir a outros seres poderosos.
 
Por isso, é importante termos em mente o seguinte: o termo Elohim, é um termo genérico, usado para se referir a seres espirituais poderosos e, fortes!  O mesmo termo Elohim, também é usado para designar homens valentes, fortes, poderosos e, dotados de autoridade concedida por terceiros, dentre outros conceitos e, significados!
 
Não podemos ser meninos a ponto de acharmos que na antiguidade, o termo Elohim era visto pelos hebreus,como um termo pagão e impróprio para se referir a Yahu! Não podemos substituir termos já existentes nas Escrituras, pelo simples fato de achá-lo "inadequados" e, "estranhos"! É preciso desmisitificarmos conceitos errôneos que nos foram transmitidos! E, como isso é possível? Mediante o conhecimento, o qual, segundo as Escrituras, Yahu concede a todos que o buscam!
 
Portanto, precisamos ter em mente o seguinte: Elohim, Não é um termo de uso exclusivo de um só povo. Elohim é um termo usado por todos os povos que ocupam a região do Crescente fértil e, dentre esses povos, está o povo de Israel.
 
E, na falta dessa busca pelo conhecimento, acerca do que se apregoa, o que muitos deixam de saber é, que Elohim encontra-se presente nos achados ANTIGOS, dentre eles, os de Qunram, datados do Século II(AEC - Antes da Era Comum) a I(EC - Era Comum). Dentre esses achados, citamos os Rolos do profeta YeshaYahu(Is); os Comentários de Habacuque e; os Rolos do Templo, nos quais encontramos facilmente o termo Elohim, conforme podemos observar nos textos abaixo:
 
YeshaYahu 13:19 " E Babilônia, o ornamento dos reinos, a glória e a soberba dos caldeus, será como Sodoma e Gomorra, quando Elohim as transtornou."
 
 
A escrita do termo Elohim encontrada em um dos textos do Rolo do Templo:
 
 
A escrita do termo Elohim encontrada no Comentário de Habacuque:
 
 
Agora, vejamos abaixo, o texto de Bereshit(Gn) 1:1, contido no Codex de Leningrado, datado do Século XI:
 
Bereshit(Gn) 1:1 " Em princípio criou Elohim os céus(ha shamaim) e, a terra( ha eretz) ." 
 
 
 
Percebam que nos achados de Qunram, deparamo-nos com o termo Elohim, escrito da seguinte forma: אלוהים. Atentem-se que o Vav vem após o lâmed! O mesmo ocorre nos Comentários de Habacuque, o qual também faz parte de um dos achados em Qunram. Já no Codex de Leningrado, o termo Elohim, vem escrito da seguinte maneira: אלהים, ou seja, com um alef; lâmed tendo acima dele, um sinal vocálico, chamado de Rolem e, cujo som é O ; iodmem sofit. Dessa forma, a pronúncia que obtemos é: ELOHIM e, NÃO Ulhim como muitos afirmam e, apregoam! E, assim afirmamos pelas seguintes razões:
 
1ª) para termos a pronúncia Ulhim, faz-se necessário termos a seguinte grafia: אולהים ( alef; vav; lâmed; hê; iod; mem sofit);
 
2ª) como já mencionamos anteriormente, no hebraico antigo, NÃO HAVIA sinais vocálicos, mas em compensação havia consoantes que sinalizavam o som vocálico contidas nas palavras, são elas: iod; hê; vav.
 
Somente após a criação dos sinais massoréticos, ou seja, por volta do Século V, é que encontramos em ALGUNS textos, a substituição dessas consoantes que exercem funções vocálicas, pelos sinais massoréticos! Daí, encontramos em textos contidos nos Codex(Leningrado e Aleppo), a substituição do Vav pelo sinal Rolem, para representar o som da vogal O.
 
Observem com a devida atenção na figura acima, extraída do Codex de Lenigrado, que acima do lâmed há um sinal( Rolem), o qual representa a vocalização O. Por isso, a pronúncia correta do que encontramos nos textos antigos, datados com mais de 1000 anos é: ELOHIM.
 
Em outros textos, como os achados em Qunram, após o lâmed, deparamo-nos com o vav, que como ja dissemos, embora seja uma consoante, também exerce função de vogal, a saber: a vogal O.
 
Em alguns casos, o Vav também é substituído pelo sinal vocálico Quibuts (três pointinhos inclinados), para designar a vogal U. Lembrando que neste caso, o quibuts vem acompanhando a consoante anterior.
 
Nota: sugerimos ao leitor que tem interesse de compreender melhor a respeito de sinais massoréticos, que busquem na gramática hebraica explicação sobre escrita defectiva e, escrita plena. Dessa forma, o leitor poderá compreender melhor termos/palavras que ora aparecem com sinais massoréticos em um deterinado texto, neste caso, temos a escrita defectiva; ora os mesmos termos/palavras, apresentam em sua escrita, consoantes que exercem função vocálica, de modo a sinalizar que alí há pronúncia de uma vogal. Neste caso, temos a escrita plena.
 
Dando continuidade em nosso estudo, a respeito do termo Elohim, verificamos que o mesmo é encontrado nas Escrituras da seguinte maneira:
 
a) Acompanhando o Nome do Altíssimo
 
Salmos 68:18 " TU subistes ao alto, levaste cativo o cativeiro, recebeste dons para os homens e, até para os rebeldes, para que YAH Elohim habitasse entre eles."
 
 
 
b) Designar o autor da Criação dos céus e da terra
 
Bereshit(Gn) 1:1 " No princípio criou Elohim o céu e a terra."
 
 
c) Designar como aquele que julga 
 
Sl 50:6 " E os shamaim(céus) anunciarão a sua justiça; pois Elohim mesmo é o juiz."
 
 
 
d) Designar como aquEle que é vivo 
 
Jr 10:10 " Mas YHWH Elohim é a verdade; Ele mesmo é Elohim vivo e o Rei Eterno; ao seu furor treme a terra e, as nações não podem suportar a sua indignação."
 
 
 
e) Designar como aquele que é Santo 
 
1Sm 6:20 " Então disseram os homens de Bete-Semes: Quem poderia substituir perante este Santo YHWH Elohim? E a quem subirá de nós?"
 
 
f) Usado para se referir aos homens, conforme podemos observar no texto abaixo:
 
Salmos 82:6 " Eu disse: Vós sois Elohim, e todos vós filhos do Altíssimo."
 
 
 
g) Usado para se referir a outros seres espirituais, conforme podemos observar nos textos abaixo: 
 
juízes 10:13 " Contudo vós me deixastes a mim e, servistes a outros Elohim; pelo que não vos livrarei mais."
 
Juizes 2:3 "  Assim também eu disse: Não os expulsarei de diante de vós; antes estarão como espinhos nas vossas ilhargas, e os seus Elohim vos serão por laço."
 
2 Rs 17:35 " Contudo YHWH tinha feito uma aliança com eles, e lhes ordenara, dizendo: Não temereis a outros Elohim, nem vos inclinareis diante deles, nem os servireis, nem lhes sacrificareis."
 
YeshaYahu(Is) 36:19 " Onde estão os Elohim de de Hamate e de Arpade? Onde estão os deuses de Sefarvaim? Porventura livraram a Samaria da minha mão?"
 
Vejamos esse mesmo texto de YeshaYahu, em um dos achados de Qunram, datado com mais de 2000 anos!
 
 
Agora, vejamos abaixo, o mesmo texto de YeshaYahu(Is) nos escritos de nossa Era, na qual os textos contidos na Bíblia de Stugartensia, são baseados no Códex de Leningrado, datado do Século X:
 
 
Uma observação a ser feita para o leitor: no termo Elohe, como é possível percebermos, tem em sua escrita final, o iod! Mas na oralidade, este não é pronunciado, visto que é antecedido pela vogal sere(..), cujo som é de ê, semelhante ao que pronunciamos na palavra: você.
 
Como podemos perceber, a escrita Elohim contida nos textos antigos, com mais de 2000 anos, ou seja, antes do nascimento do Ungido, continua a mesma usada nos dias de hoje!
 
Do mesmo modo, ocorre com as palavras contidas nos textos hebraicos, achados em sítios arqueológicos, tais como os achados em Qunram! Tais palavras,  em sua grafia, NÃO apresentam diferenças, com o que temos nos dias de hoje, a ponto de acharmos que o que hoje temos, quer seja na pronúncia e/ou, em grafia, sejam considerados "corrompidos", "modernos", "adulterados"!
 
Precisamos nos atentarmos para as evidências, as quais sinalizam a respeito de um tempo, que não é o nosso, mas que se faz presente no que lemos, no que falamos e, cremos! 
 
O reproduzir algo fora de seu devido contexto, leva ao anacronismo! Leva a reprodução de algo que não condiz com a verdade e, a veracidade dos fatos. E, foi nessa reprodução errônea do que está contido nos textos antigos,  que muitos passaram a fazer uso do termo Ulhim, para se referir ao Altíssimo, quando na verdade esse termo Ulhim, NÃO é encontrado nas Escrituras, para se referir a seres espirituais, logo, NÃO é usado para se referir ao Criador dos céus e da terra, por seu poder, força e autoridade. 
 
Assim sendo, precisamos ter em mente o seguinte: Elohim é um termo "genérico", usado pelos habitantes do Oriente Próximo, conhecido também como a região do Crescente Fértil. Portanto, NÃO é de nos causar espanto, encontrarmos nos textos hebraicos antigos, esse termo Elohim, visto que, geograficamente falando, o povo hebreu, assim como os fenícios; os assírios; os babilônicos; os cananeus, dentre outros, encontra-se nessa mesma região, logo, a proximidade geográfica contribuia e, contribui, para a familiaridade linguística existente entre eles!
 
E, a respeito dessa familiaridade, a mesma pode ser constatada, quando o Gigante filisteu, zombando dos hebreus e, daquEle em quem confiavam, aborreceu David, a ponto deste fazer a seguinte pergunta: " Que farão àquele homem, que ferir a este filisteu, e tirar a afronta de sobre Israel? Quem é, pois, este incircunciso filisteu, para afrontar os exércitos do Elohim haim( Elohim vivo)?" 1Sm 17:26
 
Esse texto deixa claro, a familiaridade linguística, existente entre os povos que habitavam na região do Crescente Fértil! Pois se assim não fosse, como explicarmos o fato de David saber que nas palavras do filisteu, havia afronta tanto para com Israel, quanto para com Elohim vivo?
 
 
Fontes Bibliográficas
 
1 - Bíblia Sutgartensia;
 
2 - Codex de Aleppo;
 
3 - Codex de Leningrado;
 
 
5 - BLAZQUEZ, Jose Maria. Dioses, Mitos y Rituales de los Semitas Occidentales em La antiguedad. Ediciones Cristiandad. Espanha, 2001.
 

Contato

Oholyao em Queimados RJ

oholyaodeiaurrushua@gmail.com

Pesquisar no site

© 2014 Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Webnode