Yeshua - O Nome do Ungido de Yah Elohim

 
Nosso objetivo através desse estudo, é auxiliar os que estão se deparando agora com o Ensino Escritural e, desejam compreender acerca do nome do Mashiach(Ungido), visto que, em meio as redes sociais, é comum depararmo-nos com vários nomes sendo apresentados como sendo o Nome dESTE, como por exemplo: Yehoshua, Yeshua, Yaohushua, Yahushua, Yashua..., o que acaba gerando na mente de muitos, confusão; dúvidas e, em alguns casos, o enfraquecimento na emunah, a ponto da pessoa, não querer mais saber sobre esse assunto! Para estes, o conhecer o nome do Mashiach, deixou de ter alguma importância!
 
Entretanto, para nós que, outrora fizemos uso de nomes, que hoje, NÃO mais fazemos, saber dar testemunho do que cremos, é fundamental! Saber argumentar com conhecimento de causa, é manifestar o Reino de Elohim!
 
O abrir mão da ignorância, requer de quem assim faz, humildade para reconhecer erros e, ir em busca do conhecimento libertador. Por isso, cremos que, abordar a respeito desse assunto, é importante, quer seja para nossa edificação, quer seja, para os que afim, assim como nós, também precisam ser edficiados e instruídos no conhecimento! E, afim de alcançarmos nosso objetivo, empenhamo-nos em apresentar nesse estudo, evidências textuais; arqueológicas; históricas e gramaticais, de modo a darmos sustentabilidade e cresdibilidade, ao que nos colocamos a ensinar.
 
1 - Analisando o Nome Yeshua
 
Antes de começarmos a abordar a respeito do nome Yeshua, convém mencionarmos o seguinte: no que tange a nomes próprios teofóricos, estes aparecem nas Escrituras de duas maneiras: 
 
a) em sua forma Plena/Completa;
b) em sua forma Defectiva/Reduzida
 
Dentre os vários nomes contidos nas Escrituras em sua forma plena e reduzida, destacamos o nome do Criador, o qual bem sabemos que, em sua forma Plena, é formado por quatro consoantes: YHWH/IHVH, entretanto, também encontramos nas Escrituras, suas formas Defectivas/Reduzidas, a saber: 
 
1 - YH(pronunciamos - Yah); 
 
2 - YHW(pronunciamos - Yahu ou Yeho/Yehu, dependendo da posição em que essa forma se encontra, se no início ou no final de nome próprio). 
 
Em relação ao nome do Ungido, ocorre a mesma coisa, ou seja, nas Escrituras a forma Plena de seu nome, era de uso comum entre os Yehudim(judeus) no período que antecede o Exílio Babilônico, sendo formada por cinco consoantes, a saber: יהושע( iod; hê; vav; shin; ain ). Entretanto, no período pós dáspora/exílio, é a forma Reduzida: ישוע( iod; shin; vav; ain), que passou a ser de uso corrente/popular em meio aos Yehudim, conforme podemos observar nas seguintes evidências textuais: no livro de Esdras; Neemias e, Crônicas.
 
 
2 - Compreendendo a formação do nome do Mashiach(Ungido)
 
Não há como falarmos sobre o nome do Ungido, sem antes, retrocedermos um pouco em nossa análise, onde iremos nos deparar com o nome Hoshea, o qual, Moshe mudou para Yehoshua! 
 
Vejamos... antes de Hoshea( conhecido por Oséias, filho de Num), receber o chamado para liderar Israel rumo a terra prometida, seu nome denotava uma ação verbal, conjugada no particípio passado, tendo por significado; Salvo. Porém, a partir do momento em que é chamado para cumprir sua missão, seu nome sofre uma mudança, ocasionada pela inserção da letra yod, a qual intensificou a ação do verbo salvar, de modo que o significado de seu novo nome, passou a denotar uma ação futura, ou seja, uma ação conjugada na 3ª pessoa do singular. E, que novo nome é esse? E, a resposta é; Yehoshua, cujo significado é; ELE salvará.
 
Como podemos perceber, a mudança no nome de Hoshea, não se deu por mero capricho; ou para agradar alguém que merecia, MAS SIM, para denotar que o Agente da Salvação é, quem concederia a IsraEl, o que outrora, foi prometido a seus pais. E, quem é esse agente? Hoshea? NÃÃÃOOO!!! O agente da Salvação é o Todo Poderoso, YHWH. Hoshea, o qual passou a se chamar: יהושע, foi apenas um instrumento nas mãos do Altíssimo, para liderar o seu povo, na posição de homem temente a Elohim, no qual havia o Ruach de liderança(Nm 27:18).
 
Em toda a Torah e, nos livros que antecedem o período do Exílio Babilônico, é essa forma Plena, cujo significado, é semelhante ao nome do Ungido, que encontramos evidenciada! Porém, no período Pós Diáspora é, a forma Reduzida desse nome, a saber: ישוע, que encontramos nos textos hebraicos, denotando dessa forma que, a forma reduzida do nome Yehoshua, tornou-se "popular", em meio aos Yehudim pós diáspora.
 
Da mesma forma que João; José; Maria; Ana, são nomes comuns em nosso idioma, Yeshua, também passou a ser um nome comum entre os Yehudim e, as evidências de seu uso, não se limita apenas a textos Pós diáspora, mas também em Ossuários, dentre eles, o de Yaacov, datado do Século I EC, o qual, após análises de peritos em testes de Carbono-14; da arqueologia; história bíblica; paleografia(no qual se analisou o estilo da escrita da época); geologia; biologia e; microscopia, confirmou-se a autenticidade da escrita contida nele.
 
Vejamos as figuras abaixo:
 
Foto 1: Ossuário datado do ano 63 EC, ou seja, do Século I EC
 
 
Foto 2 : Yeshua Bar Yehosef ( Rahmani 702, Talpiot Leste, Yerushalaiym)
 
 
 
Foto 3 : Yeshua Bar Yehosef( Rahmani 704, Talpiot Leste, Yerushalaiym)
 
A identificação deste ossuário, se dá em forma de rabisco, com letras pequenas e espichadas ( J. D. Crossan)
 
 
Analisando atentamente, as figuras de ossuários acima, podemos de imediato perceber as diferenças na forma de grafia, o que poderia levar alguns a questionarem a autenticidade das mesmas! Porém, CROSSAN John Dominic, explica essas variações gráficas da seguinte maneira: 
 
a) o semi analfabetismo, muito comum na Antiguidade; 
 
b) o fato da maioria das inscrições, não serem executadas por profissionais, mas sim, por membros da família ou por amigos, com finalidade de identificar os ossos do morto; 
 
c) pelo próprio punho de quem escrevia no ossuário, desgastando dessa forma, as letras durante a escrita nos ossuários; 
 
d) o ângulo das letras, ia se modificando à medida que, o encarregado por esse serviço, era obrigado a estender as mãos sobre o ossuário.
 
Bom... agora que já abordamos como se deu a formação do nome Yeshua, o qual é a forma reduzida do nome Yehoshua, convém mencionarmos o seguinte: NÃO há evidências arqueológicas e textuais em hebraico, referindo-se a Pessoa do Mashiach(Ungido). As evidências mostradas até aqui, refere-se a outras pessoas, como por exemplo: Sacerdotes e, pessoas comuns da sociedade. O que temos de evidência acerca da Pessoa do Ungido, encontra-se nos textos gregos, do chamado "Novo Testamento", onde temos o nome IESUS, o qual, é resultado da tentativa de se transliterar do hebraico para o grego, o nome Yeshua .
 
Vejamos nas evidências textuais abaixo, o nome Yeshua ( ישוע):
 
Esdras 5:2 " Então se levantaram Zerubabel, filho de Sealtiel, e Yeshua, filho de Yozadaque, e começaram a edificar a casa de Elaha, que está em Yerushalem; e com eles os profetas de Elaha, que os ajudavam."

 
 
Esdras 10:18 " E acharam-se dos filhos dos sacerdotes que casaram com mulheres estrangeiras: Dos filhos de Yeshua, filho de Jozadaque, e seus irmãos, MaaseYah, e Eliezer, e Jaribe, e GedalYah."

 
 
 
Neemias 12:1 " Estes são sacerdotes e levitas que subiram com Zorobabel, filho de Sealtiel, e com Yeshua: Seraías, Jeremias, Esdras."
 
Um ponto importante a ser mencionado é o seguinte: Yeshua, forma reduzida do nome Yehoshua, NÃO é proveniente de Yehovah! Compreender isso, já é um grande avanço no aprendizado Escritural, pois o entendimento errôneo a respeito desse assunto, faz com que algumas pessoas, vejam o nome Yeshua com olhar de "desconfiança". Mas... verdade seja dita: Yeshua/Yehoshua NADA tem a ver com Yehovah, como muitos, infelizmente, afirmam!
 
O que alguns precisam compreender, primeiramente é que, a inserção dos sinais vocálicos de Adonay no Tetragrama Sagrado, NÃO teve por objetivo resultar na pronúncia Yehovah, mas SIM, chamar a atenção do leitor para o seguinte fato: diante do Tetragrama Sagrado, sinalizado com as vogais de Adonay, deve-se pronunciar Adonay. Apenas isso! A pronúncia Yehova, é tão somente, o resultado-se da não compreensão acerca de tradições/costumes e regras gramaticais hebraicas.
 
Outro ponto importante, que convém mencionarmos é o seguinte:  a leitura do nome Yehova, deu-se APÓS a Reforma Protestante, ou seja, por volta do Século XVI EC, quando os cristãos decidiram retomar o estudo do hebraico, conforme podemos observar abaixo:
 
Page H. Kellley, em sua obra: Hebraico Bíblico - Uma Gramática Introdutória, lemos o seguinte: " A tentativa curiosa de transliterar a forma híbrida obtida com a inserção dos sinais massoréticos de Adonay, como Yehovah (ou Jehovah, porque "y" não existia na língua alemã), só apareceu no tempo da Reforma Protestante." pgª 56
 
Dicionário Internacional do Novo Testamento, " Em 1530 Tyndale, empregou Iehouah na sua tradução de Exodo 6:3. Subsequentemente, Jeová ficou sendo a prtografia padronizada."  pgª 560
 
Entretanto, o que muitos não se atentam é que, o nome Yehoshua foi transliterado para o grego em sua forma reduzida, a saber: IESUS, entre o Século II-III AEC( Antes da Era Comum), denotando dessa forma o seguinte: a pronúncia Yehoshua, antecede a pronúncia Yehovah, em mais de 1000 anos!!! 
 
Vale lembrar que, os sinais massoréticos passaram a ser criados a partir do Século VI EC(Era Comum), sendo consolidado por volta do Século IX, com a Escola de Ben Asher. Portanto, é IMPOSSÍVEL, darmos crédito a uma afirmação, em que é dito que, Yeshua/Yehoshua provém de Yehovah. uma vez que, as evidências textuais da pronúnica "Ye" contida nesse nome, pode ser encontrada em textos do Codex Vaticano e, do Codex Sinaitico, os quais são datados paleograficamente, como sendo do Século IV EC, enquanto que, a pronúncia Yehovah, surgiu no Século XVI com a Reforma Protestante.
 
Portanto, afirmar que Yehoshua, provém de Yehovah, é cometer um erro gravíssimo, conhecido no meio acadêmico de ANACRONISMO! E, mais: a Pronúncia "Ye" contida no nome Yeshua/Yehoshua, antecede em 400 anos do período em que se consolidou os sinais massoréticos e, em mais de 1500 anos ao surgimento da pronúncia Yehovah!

Também, NÃO podemos esquecer de mencionar outro ponto importante: na formação do nome Yehoshua, NÃO temos o Tetragrama Sagrado YHWH, mas SIM, sua forma reduzida, a saber: o Trigrama(YHW), o qual, encontramos APENAS na formação de nomes próprios teofóricos! Isso preciso ficar claro!!! Precisamos ser honestos... precisamos ser verdadeiros em nossas afirmações! E, acerca dessa forma reduzida, esta, pode ter as seguintes pronúncias:
 
a - YAHU, quando no FINAL de nomes próprios teofóricos;
b - YEHO/YEHU, quando no INÍCIO de nomes próprios teofóricos.
 
Ter esse entendimento é fundamental, para não sermos levados por ensinos errôneos! Uma coisa precisamos ter bem conceituado em nossa mente: no hebraico, a sílaba forte/tônica, encontra-se normalmente no final de sílaba. E, no caso da forma reduzida YHW, quando no final de sílaba, tem sua tonicidade marcada por uma VOGAL longa, a saber: o qamet gadol, cujo som é A. Daí, obtermos a seguinte pronúncia: YAHU. 
 
Agora... no que diz respeito a pronúncia YEHO/YEHU, esta ocorre quando o Trigrama(YHW) perde sua tonicidade. E, de que maneira isso ocorre? E, a resposta é: quando o Trigrama (YHW), deixa de ocupar o final de sílaba e, passa para o início desta!! Nesse caso, a VOGAL qamet, que é uma vogal longa, perde força e, é substituída no INÍCIO de sílaba por uma SEMIVOGAL, a saber: o Sheva(:), cujo som é de um "E" breve. Por isso, pronunciamos Yehoshua, onde o sinal vocálico Sheva(:), torna a pronúncia de nomes longos/grandes, mais rápida, ao contrário do que acontece em nomes curtos, como é o caso do nome Yeshua, onde o yod vem acompanhado por uma VOGAL, a saber: o Tsere(..), cujo som, é de um "E" longo.
 
Bom... como podemos perceber, Yehoshua, nada tem a ver com Yehova! Nada tem a ver com o conceito: "bode que salva". Yehoshua, assim como sua forma reduzida Yeshua, nada mais é que o verbo salvar, conjugado na 3ª pessoa do futuro, tendo por significado; ELE salvará.
 
Assim sendo, esperamos ter conseguido mostrar ao leitor, o porque de fazermos uso do nome Yeshua! Esperamos ter conseguido desmistificar conceitos errõneos, sem base escritural; historiográfica, arqueológica, regados por senso comum que, gera na pessoa, uma infinidade de dúvidas, medos, dos quais para se libertar, requer do indivíduo, emunah! 
 
Bibliografia:
 
Torah
CROSSAN, John Dominic. Em busca de Jesus - Debaixo das Pedras, atrás do textos. São Paulo: Editora Paulinas, 2007.
 
Links:
 
 
 
 

OBS: Caso tenha gostado de nosso estudo e, dos demais postados em nosso site, responda nossa enquete contida na Página Inicial e, desejando ser notificado a respeito das novas postagens feitas em nosso site, envia-nos seu e-mail.